Blog

PASTOR BOM É PASTOR QUE VISITA: SERÁ? (Parte 1)

O que é para você um pastor bom? Seria o pastor que visita? Aquele que tem “cheiro de ovelha”? Muita gente diz que “pastor bom é pastor que visita”, pastor que conhece suas ovelhas, que tem lã em suas roupas. Mas, seria isso mesmo? Creio que a confusão começa pela má compreensão desse verso:

 

Então, lhes propôs Jesus esta parábola: Qual, dentre vós, é o homem que, possuindo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la? Achando-a, põe-na sobre os ombros, cheio de júbilo. E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida. Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.

Lc 15.3–7

 

Quem é o pastor aí?

Há muita gente que usa esta parábola para mostrar aos pastores o seu dever de visitar. O problema é que esta parábola não fala dos pastores das igrejas cristãs. A parábola fala de Jesus encontrando os perdidos, e não dos pastores que devem visitar os membros afastados de sua igreja.

A parábola fala de como há alegria no céu “quando um pecador se arrepende”. Fala de salvação. E Jesus é o “bom pastor” que veio até nós para nos resgatar. Usar esta parábola para pastores é uma ofensa a Jesus e um mérito alto demais para um simples pastor.

Ou seja, a parábola não tem nada a ver com pastores visitando suas ovelhas afastadas.

 

Problema de interpretação

O problema é que muitas pessoas foram “viciadas” em um modelo de “pastoreio” importado do sul dos Estados Unidos por pastores que chegaram no Brasil no início do século XX.

Tais homens valorizavam mais as visitações, o “cafézinho” no final da tarde, o almoço com os irmãos, o aniversário de casamento, de nascimento, de batismo, que o estudo da Palavra de Deus.

É por isso que muitos acreditam que “pastor bom é pastor que visita”. Pastores devem visitar os membros de sua igreja? A resposta pode ser sim ou não. Explico.

 

A essência do ministério pastoral

Se quem pergunta tem por motivação saber se é da essência do ministério pastoral visitar os membros de sua congregação, a resposta é NÃO. A essência do ministério pastoral é orar e pregar a Palavra de Deus. É isso que Pedro e Paulo entendiam (At 6.1-4; 1Tm 3.2; Tt 1.7-9).

Mas, se a motivação de quem pergunta é saber se o pastor, como um cristão, deve visitar, a resposta é SIM! O pastor visita não porque é pastor, mas porque é um cristão.

No dia em que um pastor deixar de pastorear, ele deve continuar a visitar seus irmãos, pois a visitação não está ligada à função pastoral, mas ao modo como os cristãos vivem.

 

Qual a função principal de um pastor?

Uma igreja que deixa só ao pastor a responsabilidade de visitar é uma igreja doente. Além de sobrecarregar seu pastor, impedirá que ele tenha tempo para preparar a pregação da Palavra (At 6.4), que ele tenha tempo de orar por si e pela igreja, e que ele tenha tempo com sua família.

Ele não desempenhará bem o seu papel e não ficará mais do que 5 ou 10 anos em uma mesma igreja. Igrejas matam pastores e a si mesmas quando cobram deles o que não é sua principal função.

(continua em um próximo post)

15 thoughts on “PASTOR BOM É PASTOR QUE VISITA: SERÁ? (Parte 1)

  1. É meu brother… não é fácil explicar isso a igreja. Se você ficar na igreja, você é um pastor de gabinete. Se ficar visitando… nunca está na igreja quando precisam. A igreja cobra seus pastores às vezes até agressivamente. Muitos pastores estão esgotados, desse sistema e estão deixando o ministério.

        1. Espero que você nunca esteja fora de Cristo, Joel. Espero também, para seu bem, que encontre uma comunidade de cristãos com os quais possa compartilhar os dons que Deus lhe deu, abençoando-os e sendo por eles abençoado também. Igreja, na verdade, é isso.

  2. Excelente texto Wilson, bem prudente nos nossos dias onde a falta de hermenêutica tem assolado muitos púlpitos. Interessante esse ponto de vista seu “Uma igreja que deixa só ao pastor a responsabilidade de visitar é uma igreja doente”, como dito no texto a responsabilidade é do cristão e não da figura pastoral.

    Deus abençõe e fico no aguardo da segunda parte do texto.

  3. Um texto extraordinário para aqueles que tem coragem de falar com a igreja sobre o assunto… Deus continue lhe dando graça para ser benção sobre nossas vidas.

  4. Pastor ama as ovelhas que Cristo colocou sob sua tutela. E este amor se espelha além do púlpito e da oração.
    Temos, como Pastor, que ter o cuidado de não agirmos como fariseus, negligenciando uma função em detrimento de outras.
    Infelizmente alegando estudo da palavra e oração que muitas vezes nem sequer compõem o ministério, “pastores” têm deixado de cumprir dois papéis fundamentais:
    1. Visitação, que o aproxima das pessoas de fato é notória útil ao cuidado pessoal.
    2. Evangelizar, quando sabemos que voltados apenas às quatro paredes, o “pastor” esquece de ir ao encontro de vidas, inclusive das desgarradas, com o “poder de Deus”, que é o Evangelho.
    Sob este olhar, até concordo que o texto acima mencionado foge ao contexto. Mas jamais usando-o para fugir à responsabilidade que lhe foi posta às mãos.
    Não há pastor bom. Há servos que devem ser encontrados “bons e fieis” e creio de fato que isto passa sim pelas ruas, casas, praças e além paredes dos gabinetes e dos púlpitos.
    Para quem é de fato Pastor, deve saber que dá tempo sim para fazer tanto um quanto outro.
    Saber gerenciar tempo é um dom.

    1. Temos que ter cuidado com os extremismos (e em colocar no ofício pastoral aquilo que Jesus não colocou). Temor dos homens sempre é pecado.

  5. Obrigado Wilson Porte, suas palavras está servindo de orientação e direcionamento ministerial para o meu retorno de ferias.
    O ativismo, tem nos tornando mais tarefeiros do que ceifeiros da seara do bondoso Deus.

  6. Graça e Paz. Fantástico. Ministrei sobre o texto há poucos dias. O foco principal do pastor de igreja é na verdade as 99, haja vista que, o número 100 aqui se refere a “total” (100%), porque de que adiantaria encontrar a perdida e perder outras das 99?. Muito bom. Me perdoe se estou estendendo o comentário, mas, só um detalhe: Tem também aqueles que se tornaram reféns de “visitinhas”! Shalom

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: